10 atores e cineastas acusados ​​de crimes sexuais

Posted on

A recente notícia de que a atriz de Doutor Estranho, Zara Phytian, foi condenado por abuso sexual de um menor no Reino Unido chocou o mundo do entretenimento. Não só porque é um escândalo envolvendo um nome ligado à Marvel – mesmo ela sendo pouco mais que uma figurante no filme de 2016 – mas porque não é um episódio isolado em Hollywood.

Nos últimos anos, não são mais raros os relatos de casos de violência sexual envolvendo grandes nomes do cinema. De atores a grandes diretores e produtores, os abusos começaram a ser expostos à medida que mais e mais mulheres se sentiam prontas para quebrar o silêncio e trazer luz a esses casos.

Ao mesmo tempo, sabemos que, infelizmente, existem muitos outros que ainda são desconhecidos da mídia e do público em geral pelo fato de as vítimas não se sentirem à vontade para falar sobre o assunto. É uma questão sensível que envolve não apenas a violência física e sexual em si, mas também o abuso psicológico que quase força esse silêncio.

Então, para destacar esses casos e incentivar mais mulheres a levarem casos de abuso às autoridades, listamos aqui alguns dos casos que mais abalaram a indústria cinematográfica nos últimos anos. E lembramos que, no Brasil, casos de violência sexual e abuso em geral devem ser denunciados pelo telefone 181.

7. Martelo do Exército

Apesar de enfrentar as polêmicas, Hammer continua ativo em Hollywood (Imagem: Handout/20th Century Fox)

O escândalo envolvendo o ator Armie Hammer é um dos mais bizarros que surgiram nos noticiários do entretenimento nos últimos tempos. Até porque as denúncias não se limitaram a abuso sexual, mas também a acusações de canibalismo. Sim, você não leu errado: ainda por cima, ele ainda tinha um fetiche muito específico com carne humana.

No início de 2021, uma troca de mensagens entre o ator e uma mulher vazou na internet e ele apareceu falando sobre alguns fetiches bastante estranhos. Além de dizer que gostava de fantasiar sobre estupro, ele alegou gostar de coisas como canibalismo e até descreve imaginar segurando o coração da garota nas mãos.

A partir daí, outros relatos e mensagens começaram a surgir, inclusive alguns mais pesados ​​em que ele descreve literalmente momentos de abuso e violência, chegando a dizer que usou uma faca contra uma das meninas para fazê-la chorar.

Uma ex-namorada chegou a vir a público comentando sobre o assunto e confirmou o estranho fetiche de Hammer por sangue e essa tendência canibal e, embora tenha dito que foi tudo feito com consentimento, disse que teve que passar por muita terapia para superar tudo. os traumas. Outra mulher relatou ter sido agredida sexualmente ou agredida fisicamente por horas.

A polícia até investigou alguns desses casos e o próprio Hammer se internou em uma clínica de reabilitação.

6. Bryan Singer

Pelo menos cinco pessoas acusam Singer de abuso (Imagem: Folheto/20th Century Fox)

Você deve ter notado que um dos diretores responsáveis ​​pelo cinema moderno de super-heróis está faltando em Hollywood, certo? Porque os escândalos envolvendo o nome de Bryan Singer fizeram o cineasta sair de cena e se tornar persona non grata em muitos lugares. Tanto que, durante o lançamento de Rapsódia boêmiaseu último grande projeto, ele foi completamente marginalizado.

Isso tudo porque Singer é acusado de abuso sexual por pelo menos cinco pessoas – e muitas delas eram menores de idade na época. E todos os casos são muito parecidos: eram adolescentes que ou tiveram um relacionamento com o diretor quando ele era mais velho – o que é ilegal – ou que foram estuprados por ele em seu próprio ambiente de trabalho.

Um exemplo disso é um menino que foi figurante no filme O Aprendiz, de 1998. Na época, ele tinha 17 anos e contou ao jornal The Atlantic que Singer apalpou seu órgão sexual durante as filmagens do longa. Em outro caso, outro jovem diz que foi estuprado em um iate durante uma festa em 2003.

Cantor nega todas as acusações.

5. Roman Polanski

Caso de Polanski é um dos mais pesados ​​de Hollywood (Imagem: Reprodução/Paramount)

Um dos casos mais famosos de violência sexual envolvendo a indústria cinematográfica está ligado ao diretor Roman Polanski, que ganhou o Oscar de melhor diretor por O pianista. Mas, muito antes disso, em 1977, já respondia à justiça por cinco crimes cometidos contra uma menina de apenas 13 anos.

Segundo relatos da época, Polanski teria dito à mãe da menina que ia fazer uma sessão de fotos e, chegando ao local do ensaio, começou a se embebedar e drogar a adolescente antes de cometer os abusos. E tudo isso teria acontecido na casa do ator Jack Nicholson, que estava viajando.

Polanski não nega o ocorrido, embora diga que foi tudo consensual – ao contrário da versão da vítima. No entanto, a lei da Califórnia considera estupro qualquer ato com um menor de 14 anos, o que ainda o torna um criminoso. Com isso, o diretor foi condenado e, após passar pouco mais de um mês detido, saiu e vive na Europa desde então, evitando visitar países que poderiam deportá-lo para os Estados Unidos.

4. Kevin Spacey

Kevin Spacey estava brilhando em House of Cards quando as alegações começaram (Imagem: Divulgação/Netflix)

Outro grande nome que desapareceu de qualquer produção após uma série de reclamações foi o de Kevin Spacey. O ator acaba de ganhar um Globo de Ouro por seu papel em Castelo de cartas quando o ator Anthony Rapp o acusou de tentativa de abuso sexual quando ele tinha apenas 14 anos.

Diante do ocorrido, outras pessoas se apresentaram com relatos semelhantes, inclusive de pessoas que trabalhavam com ele na série da Netflix. Pelo menos oito pessoas ligadas à produção alegaram casos de assédio e abuso sexual envolvendo o ator. Todos citaram o comportamento predatório de Spacey, principalmente com assistentes e jovens.

Diante das reclamações, a Netflix o removeu da série e outros projetos de filmes também foram cancelados ou continuados sem o envolvimento de Spacey.

3. Allison Mack

A atriz de Smallville se juntou a um culto que atraiu jovens mulheres a se tornarem escravas sexuais (Imagem: Handout/HBO)

Outro caso muito famoso e igualmente bizarro envolve a atriz Allison Mack, uma das estrelas do show. vilarejo. Isso porque, além de abuso e violência sexual, a história ainda envolve uma seita estranha e até histórias de escravização.

Todo o caso gira em torno do NXIVM, um culto criado nos Estados Unidos como um grupo de autoajuda que cresceu rapidamente recrutando pessoas. O problema é que, em alguns casos, essa intimação serviu para seduzir mulheres jovens a se tornarem escravas sexuais de Keith Reniere, líder da seita, que foi condenado a 120 anos de prisão por tudo isso.

E é aí que Mack estava trabalhando. Em 2019, ela mesma admitiu que extorquiu e até conspirou para recrutar essas mulheres, sabendo que seriam abusadas por Raniere. Ela foi condenada a três anos de prisão e a história virou um documentário.

2. Woody Allen

A própria filha adotiva de Woody Allen acusa o ator e diretor de assédio (Imagem: Divulgação/MGM)

Outro grande cineasta envolvido em crimes bastante pesados ​​é Woody Allen. Dylan Farrow, sua filha adotiva, o acusa de tê-la molestado quando ela tinha apenas sete anos em um caso que gerou muito debate no início dos anos 1990, não só pelo escândalo em si, mas porque fazia parte de uma trama muito rocambolesco que virou documentário.

Na época, Allen namorava a atriz Mia Farrow, com quem teve três filhos – um biológico e dois adotivos, sendo um deles a garota que o acusa de abuso. Além disso, Farrow tinha outra filha adotiva, Soon-Yi Previn, que tinha 21 anos na época.

E todo o problema começa quando se descobre que Allen e Previn estavam tendo um caso. Assim, o que o ator e diretor afirma é que a denúncia de violência sexual contra a menina de sete anos é, na verdade, uma invenção de Farrow para atingi-lo após descobrir a traição com uma de suas filhas. Allen e Previn são casados ​​até hoje.

No entanto, Dylan manteve sua versão do caso desde então e fez questão de não deixar essa história morrer com o tempo.

1. Harvey Weinstein

As acusações contra Weinstein desencadearam os movimentos #MeToo e Time’s Up (Imagem: Reprodução/Thomas Hawk)

Você pode nunca ter visto o nome de Harvey Weinstein em um pôster ou mesmo em um filme, mas certamente lhe rendeu muito dinheiro. Considerado um dos homens mais poderosos de Hollywood, foi produtor de filmes como gênio indomável, Cidade do Pecado, Senhor dos Anéis e muitos dos projetos de Quentin Tarantino.

E, em 2017, ele se tornou protagonista de uma história nada bonita: várias celebridades de Hollywood se uniram para expor casos de violência que vivenciaram envolvendo Weinstein. São casos que vão do assédio ao estupro e cuja exposição serviu para encorajar mais vítimas a quebrarem o silêncio. É o que impulsiona movimentos como #MeToo e Time’s Up.

Tudo começa com uma denúncia do The New York Times de que o produtor teria assediado 13 mulheres e estuprado três. Em seguida, outras 80 mulheres vieram com histórias semelhantes, incluindo algumas atrizes famosas como Angelina Jolie, Salma Hayerk e Uma Thurman.

Após um longo julgamento e todas as repercussões decorrentes da exposição dos casos, Weinstein foi condenado a 23 anos de prisão.

Fonte: Pessoas, Complexo